REWORK: 7 Conceitos Para Você Repensar Sua Forma de Trabalhar


O “mundo corporativo” está cheio de tradições, regras de ouro e processos idiotas.

Infelizmente essa regra se aplica a todos os nichos de mercado. Inclusive agências digitais e Startups. Pelo menos eu sempre tive essa sensação. Imagino que você também.

Esse foi um dos principais motivos que me levou a ler o polêmico livro Rework, obra de Jason Fried e David Heinemeir Hansson, fundadores da lendária empresa produtora de softwares 37signals.

A proposta do livro é bater de frente com diversas práticas “inquestionáveis” do mercado e apresentar formas mais eficientes de criar projetos de sucesso.

Apesar de eu não concordar com todos os pontos do livro, fiquei fascinado com algumas das “rupturas” propostas. O mundo seria um lugar melhor se todos os líderes de equipes e projetos ao menos parassem para refletir um pouco sobre elas.

Conheça neste post algumas dessas ideias que me chamaram tanto a atenção. Estou certo de que elas também vão te fazer repensar a maneira com a qual você está tocando sua vida profissional.

1. Planejar é adivinhar

mae_dinahNão se engane achando que você pode fazer um planejamento estratégico de longo prazo e realmente segui-lo.

É impossível prever todas as condições que vão afetar o seu projeto (macro e micro economia, recepção do mercado, concorrência, mudanças de equipe…). Logo depois do primeiro choque de realidade, o meticuloso planejamento que você fez se torna nada mais do que uma peça de fantasia qualquer.

Pior ainda, muitas vezes seu planejamento pode te “cegar” para novas oportunidades. Simplesmente porque você não as previu no que planejou.

Então, não fique obcecado em planejar todos os detalhes do seu projeto. Simplesmente comece a fazer acontecer e saiba improvisar. Afinal, no mundo real, é isso que você vai ter que fazer com ou sem planejamento.

2. Sobre Workaholics

workaholic-2Alguns discursos bonitos de chefes podem até tentar desmentir, mas a verdade é que a nossa cultura corporativa é apaixonada por workaholics.

Sabe aquele funcionário que fica incontáveis horas seguidas trabalhando em cima de um problema, que sempre vai embora muito tempo após o horário comercial e que está acostumado a trabalhar em fins de semana? Você já teve algum chefe que reclamou desse comportamento? Não né?

Normalmente esse é o funcionário “queridinho”, enquanto aquele que vai embora logo ao fim do seu expediente passa uma ideia de “descompromissado”.

É só pensar um pouco para vermos o quanto essa situação é ridícula.

Na verdade, workaholics são péssimos para empresas. Pessoas que trabalham muitas horas a fio vão se cansar (sim, elas são humanas). E pessoas cansadas tendem a tomar decisões burras e a serem ainda mais improdutivas. E isso acaba fazendo essa pessoa trabalhar ainda mais.

Esse ciclo vicioso vai rodar até a saúde do workaholic dar um basta definitivo na situação. E advinhe quem acabou ficando sem um funcionário e pagou por inúmeras horas de trabalho de baixa qualidade e produtividade ainda menor? A empresa que adorava seu workaholic.

3. Ame Restrições

Chega de se fazer de coitado. Se eu ganhasse 1 real a cada vez que escutasse alguém me dizer “eu adoraria fazer X, mas não tenho tempo/dinheiro/equipe/experiência/etc”, eu já estaria aposentado, aproveitando o resto da minha vida em Valência.

Ao invés de adotar o #mimimi, veja o lado positivo da coisa. Restrições são a matéria-prima da criatividade. Já parou para pensar que muitas das maiores invenções da humanidade ocorreram em períodos de guerra? Nada como a ameaça de morte para fazer pessoas serem criativas e bolarem soluções incríveis.

Não precisa ser tão radical a ponto de entrar em guerra, mas saiba usar as suas restrições a seu favor. Provavelmente elas te levarão a criar uma solução mais inteligente e barata do que a do seu concorrente sortudo, que tem tantos recursos e uma vida tão mais fácil do que você.

4. O Tom Está Nos Seus Dedos

Fender Stratocaster Mark KnopflerEssa é uma das minhas preferidas. E cai como uma luva para 99,9% dos profissioais de Marketing Digital.

Você pode comprar a guitarra mais cara do mundo. Mesmo assim, ao tocar, seu som não será tão bom quanto o do John Fusciante. Ao mesmo tempo, com uma guitarra de R$ 500, ele pode encantar estádios lotados pelo mundo.

O segredo não está nas ferramentas. Está em você saber o que fazer com elas. Não inviabilize projetos fazendo com que eles dependam de ferramentas caras. Se você está focado em adquirir ferramentas, muito provavelmente você está focado em encontrar atalhos para tudo na vida.

Combata sua preguiça e se vire com o que você pode ter agora. Seu resultado será tão bom ou melhor do que o que seria com ferramentas ultra-modernas.

E depois do sucesso inicial, se você quiser, vai poder comprar suas ferramentas. Mas vai acabar descobrindo que nem precisa tanto assim delas.

5. A Interrupção É a Inimiga da Produtividade

Ah… Eu fico até emocionado ao falar disso.

Por 10 anos, eu sofri muito com interrupções no trabalho. Elas vem em todas as formas. Reuniões, telefonemas, mensagens, piadas de colegas… É impressionante a falta de “carinho” das empresas hoje em dia com a produtividade.

Responda sinceramente: quantas vezes por semana você consegue trabalhar por 1 única hora seguida sem nenhum tipo de interrupção? Para muita gente, a resposta é “ZERO”. E isso é ainda mais terrível do que parece. Afinal, a concentração não é algo que se “liga” e “desliga” com um estalar de dedos. Se você interrompe alguém, saiba que essa pessoa vai levar um bom tempo até conseguir voltar a se concentrar totalmente no que estava fazendo.

Hoje, como tenho a imensa sorte de trabalhar em casa e em projetos onde tento sempre envolver somente pessoas essenciais, o meu controle em relação a interrupções aumentou inacreditavelmente. E foi preciso eu ter essa experiência para ter noção de quanta produtividade é jogada no lixo todo dia nas empresas.

A minha recomendação é simples: seja você dono ou funcionário, você precisa ser extremista. Lute com todas as suas forças pela sua produtividade. Ou vão tomá-la de você. E sem ela, você é somente uma fração do que poderia ser.

6. Reuniões São Tóxicas

reunioesTodo empreendedor ou líder se julga ciente da importância de ter apenas “reuniões produtivas”. Mas é impressionante como praticamente nenhum deles consegue aplicar isso no seu dia-a-dia.

Aproveitando o assunto “interrupções”, vale destacar que reuniões são as piores interrupções possíveis. Elas tem durações inacreditavelmente longas a conseguem inutilizar, ao mesmo tempo, vários membros de uma empresa. Uau.

Ainda quero fazer um post mais detalhados sobre reuniões produtivas. Mas até lá, antes de marcar uma reunião, eu te sugiro sempre fazer um cálculo: veja quantas horas serão gastas somando o tempo de todos os participantes. Ex: em uma reunião de 1 hora e meia com 5 pessoas, são 7 horas e meia.

Quanto essas horas custam à sua empresa? O resultado final final da reunião (se é que haverá algum) é mais valioso do que 7 horas e meia de produtividade no seu projeto? Normalmente, não.

7. Delegadores São Peso Morto

Para ter produtos modernos e competitivos, você precisar ter times pequenos e altamente produtivos, onde todo mundo trabalha.

Por isso, no mercado de hoje, não há mais espaço para delegadores. Sim. Aquela pessoa que tem a única função de “gerenciar” (dar ordens).

Ter alguém assim também é uma péssima ideia porque, se essa pessoa não sabe detalhadamente qual é o trabalho da sua equipe (porque não coloca a mão na massa), muito provavelmente ela não vai saber como gerenciar esse time da melhor forma.

Ah, além disso, sabe o que um delegador mais gosta de fazer? Reuniões.

E tem muito mais

Esses são apenas alguns dos meus capítulos preferidos de Rework. Se você gostou, corra atrás do livro. É uma leitura fantástica para quem sente que várias coisas do seu dia-a-dia de trabalho não fazem sentido ou poderiam ser melhores. E ele é ainda mais interessante para quem já empreende ou pretende empreender em um projeto próprio. Se você se encaixa em uma dessas duas descrições (ou nas duas!), suas horas de leitura serão muito bem investidas.

Você concorda com essas ideias no post? Aplica alguma delas no seu dia-a-dia? Use os comentários porque eu quero saber o que você pensa. ;)

4 Comentátios

  1. Por favor, reuniões além de atrapalharem nossa produtividade e a nossa concentração, tem sempre algum workaholics que adora trazer assuntos irrelevantes!!!

    Escrever uma resposta
  2. Eis uma grande oportunidade para que cada profissional que tem essa consciência contribua para tais mudanças. Penso que os modelos que prevalecerão tem um viés muito mais orgânico.

    Escrever uma resposta
  3. Brilhante! Entretanto, como não há uma regra completamente perfeita, quero comentar apenas uma ressalva sobre o post muito bem estabelecido e escrito… – Quando o assunto é estrutura organizacional, é preciso considerar um pouco melhor os passos, Definir, Delegar e Gerir -. Especialmente, quando se tratar de organizações grandes, complexas e em níveis mais estratégicos, ficará mais difícil e improdutivo para a organização pessoas gerindo e operacionalizando ao mesmo tempo. Neste caso, precisamos de pessoas muito bem preparadas, competentes e produtivas em todos os níveis… estratégico, gestão e operacional. Naturalmente, todas essas esferas precisam ser produtivas, terem propósitos muito claros e alinhados com os objetivos comuns.

    Escrever uma resposta

Envie seu comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>